quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Amamenta os dois? Do meu jeito, sim!




Hoje a nossa nova missão completa 4 meses -- ser pais de gemelares é realmente algo extraordinário. Se fechar os olhos e lembrar o que passamos para chegar aqui, me emociono e muito. Fui tão forte nos 41 dias de UTI que hoje me permito chorar se vejo qualquer bebê em uma incubadora. Ele nem precisa estar  entubado, nem recebendo nutrição Parenteral, mas só de ver a sonda e o oxímetro no pezinho ou na mãozinho já sinto um calafrio. Cuidados necessários, porém muito marcantes para quem sonha em sair da maternidade junto com o seu filho.
E o primeiro desafio a vencer foi não amamentar meus filhos quando nasceram.
Sabe aquela imagem linda da mãe amamentando os filhos? A minha foi substituída por uma bombinha elétrica alugada, muita massagem, muita água, muita dor no começo, muita fé, muita determinação. Tive ajuda de uma enfermeira especialista em amamentação -- a Josefa. Ela ganha a vida auxiliando as mulheres que desejam amamentar os seus filhos, mas a missão dela vai muito além do dinheiro. Jamais esquecerei o meu desespero ao perceber que em menos de 10 dias meu leite começou a diminuir e a Josefa veio na minha casa depois das 22h. Ela fez massagem e conversamos. Saiu daqui "Paulo quando seus filhos saírem do hospital, a Renata vai conseguir amamentá-los. Eu virei aqui nem que seja meia-noite". Ela não precisou vir, aquela conversa, aquela energia me deixaram tão fortalecida que não só o leite voltou com força total como consegui amamentá-los quando eles puderam sugar. Recebemos alta com os dois mamando no meu peito. Antes da primeira sucção do Zeca no dia 25 de julho, foram muitas idas ao hospital com a bombinha, ordenhas em casa e conversas com as mães que estavam lá no mesmo empenho que o meu.
Dia 22 de setembro!!! Um dia histórico pra mim. Fecho os olhos e degusto o sabor do ser mãe e conseguir amamentar os filhos. Parece um néctar especial que a vida ganha. Os dois estavam agitados. Dia da vacina dos 3 meses. Não tive dúvidas. Deitei na cama e coloquei um em cada seio. Foi lindo. Agradeci a Deus. Rezei uma Ave-Maria. E segurei o piscar bem forte para lembrar sempre dessa imagem -- o poder que a mãe tem em acalmar os filhos. O seio é um deles. Com a Sofia desfrutei desse prazer por pouco tempo, mas nunca me senti menos mãe e poderosa por isso. Foi uma decisão difícil deixar de amamentar. Chorei. Chorei a dor da frustração de não ter conseguido. Chorei de medo se ela um dia cobraria isso de mim. Chorei, chorei e chorei. E por quê não consegui? Ser mãe é um grande desafio. Maturidade, emoção, insegurança, hormônio e mudança de vida influenciam muito na amamentação. A Sofia teve uma leve alergia a proteína do leite e até detectarmos isso ela não mamava direito e perdeu peso. Precisamos entrar com complemento especial  e mudar a minha alimentação. Depois de muitos dias sem dormir e com a dieta restrita meu leite secou. Não saía mais. Na época poderia ter buscado ajuda de quem entende do assunto, mas resolvi que tinha feito o meu melhor até onde consegui. Com os meninos eu fui atrás de auxílio antes deles nascerem, porque sabia que seria mais difícil amamentá-los sem complemento. No hospital eles já precisaram de complemento porque mesmo tirando 480ml por dia não era suficiente para os dois. Vim para casa em paz por saber que os dois mamavam em mim e recebiam a fórmula para complementar. Achei o nosso método. Alternamos as mamadas. Dependendo do momento os dois mamam apenas a mamadeira e, em outro, os dois vem para o peito, não juntos porque realmente quem consegue sempre é uma heroína. Eu fiz isso no dia 22 de setembro sozinha, mas a Sofia estava dormindo e pude ficar o tempo necessário. No dia a dia é mais difícil essa logística. Já fiz outras vezes com a ajuda do Paulo, mas definitivamente é bem difícil.
Assim vamos seguindo adiante. Sem cobrança, sem prazo, sem medo se um dia o leite acabar. E que venham mais histórias -- afinal tudo isso aconteceu apenas nos primeiros quatro meses de vida deles.

* Mais histórias e reflexões sobre a vida e a maternidade podem ser encontradas na página do facebook @litteraencantada ou no blog http://litteraencantada.blogspot.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário