quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Parece que foi ontem



Entro na sala pouco antes das 8h. Precisava ouvir a rádio e transcrever o programa. Sentei em uma mesa no canto para fazer a primeira tarefa do estágio. Último semestre da faculdade, não queria ter saído de São Paulo, voltei a morar com minha mãe. E assim começava uma nova fase que eu não tinha a dimensão como seria importante para a minha formação pessoal e profissional. É difícil relatar os melhores momentos porque eles foram diversos. A primeira pauta na rua, a primeira entrevista que acompanhei e a primeira foto publicada tiveram um sabor especial. Um sabor que vem se repetindo há 10 anos, em cada pauta que eu vou, em cada entrevista que acompanho. No decorrer do caminho sorri e chorei, pautas emocionantes, histórias chocantes... Trabalhar com comunicação pública é estar do outro lado, como diz o jargão jornalístico, mas é também estar do lado onde é possível ver as coisas acontecerem. Talvez nem sempre na velocidade que gostaria de comunicar e vivenciar... com certeza eu ouvi histórias reais de muitas pessoas que têm muito o que contar. Histórias que muitas vezes não ganham espaço na grande mídia, mas continuam sendo boas histórias de vida e, para mim, relatos que valeram a pena escolher o jornalismo como profissão. Nem sempre é fácil buscar as respostas, falar o que a pessoa gostaria de ouvir, mas cada dia que passa aprendo que estar ao lado das pessoas ajuda muito a escolher as palavras certas para responder com sinceridade o que pode ser feito.
Talvez esse post um dia vire alguns contos, algumas crônicas, porque eu tenho muito o que compartilhar. São tantas pessoas para mencionar que realmente não dá para escrever numa sentada só. Cada uma tem uma história, cada uma me ajudou de uma forma, cada uma merece um relatinho do que vivi até aqui.

Hoje estou por aqui, amanhã não sei, mas com certeza o que eu quero é enquanto estiver -- ter o brilho no olhar em buscar uma nova pauta, o frio na barriga de cada entrevista e achar as palavras certas e incertas para escrever as histórias que aprendo todo dia. Comunicação pública, uma paixão que começou no canto de uma sala e só aumentou nesses 10 anos! E essa paixão só aumentou porque participo de um projeto sério, com políticas públicas que fazem a diferença na vida de muitas pessoas – e nesse caso não foi ninguém que me contou, eu mesma fui na rua pra ver e ouvir!